8 maneiras de negociar dívidas de forma eficiente

8 maneiras de negociar dívidas de forma eficiente

A negociação de dívidas não é uma tarefa muito agradável, mas é possível  torná-la mais confortável e rentável para o seu bolso. A gente vai contar 8 dicas que vão ajudar você a se preparar para esse momento!

É um fato: aqui no Brasil, as pessoas estão cada vez mais com dificuldade de pagar as contas em dia e estão tornando-se endividadas. Em 2019, a proporção de famílias com contas ou dívidas em atraso subiu de forma considerável.

Segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em maio de 2019 o percentual de famílias brasileiras endividadas alcançou 63,4%, um aumento de 0,7 ponto percentual (p.p.) em relação a abril (62,7%).

Os maiores atrasos são de dívidas com bancos, seguido de comércio e empresas de comunicação. Além disso, foram apontadas as causas para todo esse cenário de inadimplência:

  • Cheque pré-datado;
  • Cartão de crédito;
  • Cheque especial;
  • Carnê de loja;
  • Empréstimo pessoal;
  • Prestação de carro;
  • Prestação de seguro.

E se comparado ao ano anterior, é possível enxergar onde os brasileiros mais estão deixando a desejar no planejamento financeiro:

gráfico de dívidas

Esse cenário é preocupante e, por isso, resolvemos levantar 8 dicas super relevantes para quem deseja começar, hoje mesmo, a renegociação de dívidas. Acabar com elas significa mais tranquilidade financeira para você realizar sonhos e menos dores de cabeça no dia a dia.

>> Simule as parcelas do empréstimo com garantia de imóvel da Bcredi. As menores taxas do mercado e o maior período de pagamento.

O nosso objetivo com esse post é ajudar você a negociar dívidas de forma mais inteligente e planejada, assim não passará por apuros durante a negociação e depois dela. Então, vamos entender como negociar dívidas de uma forma eficiente e acabar – de uma vez por todas – com as dívidas na sua vida?

1. Faça um balanço das suas finanças

Não adianta se afobar! Para quitar as dívidas, é necessário um tempo para a criação de um bom planejamento financeiro. Colocar todos os débitos do mês, os seus rendimentos e as dívidas em aberto no papel já é o começo para entender como será a melhor negociação para o seu bolso.

Isso porque, não adianta tentar renegociar seus débitos sem saber o quanto pode comprometer do seu orçamento nesta negociação.

Uma reestruturação no orçamento ditará o quanto você vai comprometer deste dinheiro, se será necessário fazer algumas economias ou até mudar alguns hábitos.

Preparamos uma planilha de orçamento pessoal descomplicada que vai te ajudar neste primeiro momento.

2. Defina o quanto pode pagar para negociar

Após entender sua situação financeira de forma mais clara, você poderá definir o quanto poderá pagar para quitar as dívidas de uma vez por todas.

Querer negociar dívidas para se livrar delas é importante, mas não comprometa uma parte muito grande da renda com as parcelas que não poderá cumprir. Caso isso aconteça fica ainda mais difícil conseguir um novo acordo.

No planejamento, considere imprevistos e não comprometa mais de 30% da sua renda com contas grandes!

3. Defina prioridades

É extremamente importante que você estabeleça um ranking com todas as dívidas que possui e elenque prioridades de pagamento.

As contas com juros maiores, como cheque especial e cartão de crédito, devem ser priorizadas já que são as duas linhas de crédito com os juros mais altos do mercado.

Financiamentos também devem entrar como prioridade na lista, já que geralmente são deixados bens materiais como garantia e o não pagamento pode fazer você perder algum deles para o banco ou instituição financeira.

4. Tente negociar um desconto

Se você realmente deseja fazer uma negociação eficiente, defina com antecedência qual será a sua proposta para o pagamento da dívida.

Tenha em mente que com uma proposta bem estruturada você conseguirá estabelecer suas condições, qual queda de juros você considera justa, qual o prazo para a quitação dos valores e também os descontos de acordo com o formato de pagamento.

Outras opções de negociação de dívidas são:

  • Retirada de juros;
  • Melhoria da taxa de juros;
  • A desconsideração de multa;
  • A diluição das parcelas.

Na possibilidade de quitar a dívida à vista, lembre que seu poder de negociação é ainda maior.

5. Formalize a negociação

Seja com quem for, se a renegociação de dívidas for presencial ou online, procure deixar claro que você está criando um documento por escrito para a formalização do que foi combinado durante a conversa.

Isso porque, de nada adianta você fazer uma super negociação e não ter algo realmente tangível de que ambas as partes cumprirão com o acordo.

Quando você negocia por escrito, as duas partes selam um compromisso e garante as condições conversadas durante a reunião entre o endividado e o credor.

6. Avalie bem o contrato

Uma prática comum e que pode ser extremamente prejudicial é pecar na avaliação e leitura do contrato completo antes da assinatura, principalmente em uma renegociação de dívidas.

Como é no contrato que ficam todas as regras da negociação, a não leitura pode ser um problema grande para você no futuro.

Então, avalie muito bem cada linha antes de assinar para garantir todos os benefícios acordados entre você e o credor. Se possível, tenha um advogado para validar as informações com você e valide o acordo em cartório para ter uma formalização ainda mais eficiente.

7. Cuide com as novas ofertas

Muitas empresas oferecem novas ofertas de produtos ou serviços no momento da renegociação.

Porém, oferecer cartões de crédito, algum tipo de seguro ou título de capitalização no momento da negociação em troca de uma taxa de juros mais baixa é extremamente proibido.

Além disso, se colocado na ponta do lápis, você pode perder seu desconto fazendo o pagamento de outro produto para o banco ou instituição financeira. Procure manter o foco em negociar sua dívida e, depois, pense em adquirir novos gastos.

8. Faça uma troca inteligente

Seja para pagar uma dívida com o banco ou com uma pessoa física, muitas das vezes, ter o dinheiro em mãos e fazer o pagamento à vista é a melhor forma de barganhar descontos e obter mais vantagens na negociação.

Neste caso, fazer um empréstimo com condições mais saudáveis pode ser uma das opções mais vantajosas, já que é possível trocar todas as suas dívidas caras por uma mais barata e, como consequência, deixar a sua renda menos comprometida.

Modalidades como o Crédito de Garantia de Imóvel (CGI), por exemplo, têm juros menores e podem fazer a diferença para deixar as suas contas em dia.

Outra vantagem é o prazo estendido de pagamento, no qual a quitação das parcelas pode ser feita em até 180 meses, depois de aprovado, o dinheiro cai na sua conta em no máximo 10 dias.

Além disso, você vai poder respirar aliviado porque as taxas são as mais baixas do mercado e nunca mudam, são sempre as mesmas. Diferente dos bancos ou empresas onde os juros sobem cada vez mais e, de repente, viram uma bola de neve.

Na Bcredi, fazemos a quitação das suas dívidas – sim, você faz tudo por aqui de forma super agilizada – e depositamos o restante do valor do empréstimo na sua conta.

Ou seja, você pode emprestar mais do que o valor que deve e investir a outra parte nos seus sonhos de viajar, reformar ou investir em um novo negócio. Muito mais fácil e sem burocracias.

Você pode conhecer mais sobre o empréstimo com garantia de imóvel da Bcredi para quitar dívidas e se livrar, de uma vez por todas, das dores de cabeça que elas causam. Baixe o nosso ebook e tire suas dúvidas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.